Carta de Membro do Anonymous: Quem é a Internet?

By | 31 de agosto de 2015

NOS-SOMOS-ANONYMOUS-CARTA-TOPIARY

Esta é uma carta de Jake Leslie Davis (Topiary) um dos principais membros do temido e famoso Anonymous e LulzSec essa carta foi retirada do livro Nós somos Anonymous – Por dentro do mundo dos Hackers:

“Olá, amigo, e bem-vindo à internet, a luz guia e o laser letal de nosso mundo agitado e moderno. Já faz um tempinho que a horda da internet tem o observado de perto. Ao longo dos anos, ela presenciou você entrar no facebook e no Twitter, ela o observou penetrar na casa dela e tentar ultrapassá-la com seus escândalos e fofocas do “mundo real”. Saiba que o domínio do ciberespaço sempre pertencerá à mente colmeia. A internet não pertence a suas amadas autoridades, forças armadas ou pessoa donas de empresas multimilionárias. A internet pertence aos trolls e aos hackers, os entusiastas e os extremistas; jamais deixará de ser assim.

Sabe, a internet há muito tempo perdeu seu lugar no tempo, e sua coletividade obscura continua a se esquivar do fato de que vive num ano específico como 2012, e precisa seguir os princípios morais de 2012 e a sociedade de 2012, com suas regras e punições. A internet dá risada de cenas de estupro em massa e carnificinas horripilantes com um toque de canibalismo, tudo ao som da envolvente batida de música japonesa. Simplesmente não dá a mínima para conseguir um “emprego”, conseguir um carro, conseguir uma casa, criar uma família e ensiná-los a continuar o círculo enquanto a espécie humana organiza a própria morte. Caixões com placas personalizadas e planos de aposentadoria feitos de burocracia… a internet se pergunta: por quê?

Você não consegue fazer a internet se sentir mal, não consegue fazer a internet se arrepender nem sentir culpa ou compaixão; apenas consegue fazer a internet sentir a necessidade de obter mais lulz à sua custa. Lulz flui por tudo enquanto o exército sem rosto assiste à queda das torres gêmeas com um Hitler dançando no canto esquerdo inferior da tela. Lulz ataca quando eles abrem um jornal e não se importam com nenhum  dos supostos problemas mundiais. Caem na risada ao deparar com setas vermelhas que apontam a queda de bancos e empresas; caem na risada ao deparar com nossos gloriosos soberanos do governo tentando consertar uma situação injetando mais dinheiro na economia. Caem na risada quando você tenta fazê-los  sentir a necessidade de ” fazer algo da vida” e morrem de rir quando você os chama de trolls repugnantes e terroristas cibernéticos desalmados. Caem na risada poque você é incapaz de rir de si mesmo e de todas as inúteis quinquilharias que o cercam. Mas, acima de tudo, eles caem narisada porque podem fazê-lo.

Isso não quer dizer que a internet é sua inimiga. É sua principal aliada e sua amiga mais íntima; suas compras significam que você não precisa pôr o pé fora de casa, e seus cassinos lhe permitem perder o seu dinheiro em qualquer hora do dia. Suas muitas salas de bate-papo lhe garantem: não é mais necessária interação direta com nenhum outro membro de nossa espécie, e uma rede social detalhada mapeia cada um de seus passos e pensamentos. Seus relacionamentos íntimos e mais obscuros segredos pertencem à horda, e jamais serão esquecidos. Sua existência será eternamente codificada no infinito repertório de belas sequências de bytes, armazenadas de modo seguro na nuvem cibernética para todos observarem.

E como a internet mudou a vida de seus usuários mais viciados? Simplesmente não se importam o suficiente para lhe contar. Então bem-vindo ao baixo-ventre da sociedade, à anárquica nebulosa em fluxo de consciência que, cada vez mais dia após dia, se insinua no mundo não alternativo – o seu mundo. Você não pode escapar dela e não pode antecipá-la. É o pesadelo no limiar de seus sonhos e o nefasto pensamento que crava  as garras em sua vida online como ofuscante força virtual, desconsiderando suas filosofias e se esbaldando em suas emoções.

Prepare-se para entrar na mente da colmeia, seu filho da mãe.”

A Leitura do livro é altamente recomendada, me identifiquei com o texto pois tenho uma visão bem parecida, acho que todos os “oldfags” possuem essa visão, a internet é mutação constante e não adianta fugir dela nem tentar controlá-la, não adianta!

Deixe uma resposta